Emagrecendo

A+ A A-
15-01-2012

Emagreça usando a internet

Avalie este item
(3 votos)

Os sites de dieta, aplicativos para celular e redes sociais estão transformando a vida de quem faz regime – em vez de um esforço isolado, emagrecer virou uma atividade de grupo, com resultados melhores

Blog, fórum, aplicativo – para emagrecer usando a internet, a professora mineira Edna Batista, de 42 anos, ataca em várias frentes do mundo digital. Há um ano e meio, tornou-se usuária de um site de emagrecimento que ajuda a controlar o peso. Por meio dele, Edna calcula as calorias dos alimentos que pre-tende comer, tira dúvidas com nutricionistas e é acompanhada – e incentivada – por centenas de outras pessoas que, como ela, tentam afinar a silhueta. Ainda com a ajuda da internet, passou a manter um diário virtual de sua dieta. Ela digita tudo o que come, e o site, por meio de uma ferramenta de contagem, transforma dados calóricos em pontos. Sem ultrapassar os limites impostos pelo programa, ela manipula as combinações de alimentos leves com calóricos e, assim, não precisa excluir de sua vida sobremesas ou cervejinhas.

Tanta atividade na seara virtual vem dando resultado no mundo real. Edna pesava 105 quilos quando começou o programa e ho-je está com 20 quilos a menos. Ainda pretende emagrecer outros 10 quilos. Obesa desde a infância, com pais e irmãos igualmente acima do peso, Edna já tentara emagrecer com inibidores de apetite receitados por médicos. Valeu-se também de dietas radicais, como a da sopa e a da proteína, que seguiu por contra própria. Não deu certo. O sacrifício funcionava por um tempo, mas o peso perdido voltava como uma vingança, tão rápido quanto sumira. No auge da obesidade, há pouco mais de um ano, Edna passou dos 100 quilos, com apenas 1,63 metro de altura. “Eu me vi numa foto de casamento e fiquei chocada com o meu tamanho”, afirma. Os conselhos on-line dos nutricionistas, o aplicativo que calcula as calorias e as dicas dos demais internautas foram, em seu caso, eficazes para mudar esse quadro.

Os programas virtuais de emagrecimento reúnem cerca de 1,5 milhão de brasileiros, de acordo com a contabilidade dos dez maiores sites desse tipo no país. Nos Estados Unidos, onde a onda começou há dez anos, 5 milhões de pessoas já usaram a rede para perder peso.

 

A pesquisa, com 1.113 usuários, mostra que a maior parte dos participantes (85,8%) já experimentou regimes convencionais, mas elegeu a internet por considerá-la a ferramenta mais eficaz e barata do mercado.

 

O público desse tipo de serviço é majoritariamente feminino (91,8%) e jovem: a maioria (63,1%) tem idade entre 26 e 45 anos. Entre os próprios usuários, levam vantagem os mais conectados.

 

Aqueles que controlam diariamente a alimentação, digitando no diário virtual as calorias ingeridas, emagrecem até sete vezes mais que usuários que só fazem esse controle uma vez por semana – e perdem 1,2 quilo a mais do que quem não tem o costume de subir na balança e fazer planilhas semanais com a evolução de seu peso.

 

A possibilidade de entrar em forma pela internet soa tão fácil, tão conveniente, que chega a provocar desconfiança. Mas estudos recentes conduzidos por médicos e nutricionistas sugerem que a dieta digital pode, sim, ser eficaz. “Esses sites colocam o usuário no controle de sua alimentação e na responsabilidade pelo seu emagrecimento”, diz a nutricionista Lígia Amparo Santos, professora da Universidade Federal da Bahia. “Essa tática funciona.” Lígia publicou em 2007 um estudo sobre a estratégia de redução de peso usada por sites de emagrecimento e, desde então, acompanha de perto o assunto. Fora do Brasil, a tendência tem sido estudada por cientistas que tentam medir a eficácia das dietas on-line. O resultado tem sido favorável ao método, embora ainda não haja consen-so científico. Parece claro que a possibilidade de acompanhar e ser acompanhado por outras pessoas muda inteiramente o cará-ter da dieta. “A internet é a ferramenta mais promissora para a mudança de comportamento surgida nas últimas décadas”, afirma o neurocientista Stephen Waxman, da Universidade Yale, nos Estados Unidos.

Os sites removem as pessoas de um ambiente isolado e as transportam para uma experiência de esforço coletivo que se alimenta da energia do grupo. É mais fácil que estar presente a uma reunião dos Vigilantes do Peso. No modelo on-line, não é preciso obede-cer aos horários dos encontros nem reservar tempo para se deslocar até o local das reuniões. Ao mesmo tempo, pela força do núme-ro de participantes, a dieta na internet vira uma onda, uma tendência de comportamento. O que era uma angústia pessoal pode se transformar em ação e conquista coletiva. A vergonha de se expor por estar acima do peso perde importância quando a interação é virtual. Ao deixar uma mensagem de incentivo num blog ou compartilhar o que comeu com os colegas de um fórum, o candidato à perda de peso se sente amparado. “O comprometimento com o regime é maior à medida que aumenta o grau de interação da pessoa”, diz Waxman. “É por essa razão que as pesquisas mostram que as pessoas com mais amigos virtuais tendem a emagrecer mais. É como se houvesse uma multidão torcendo por elas.”


FEEDBACK LOOP


O outro elemento do sucesso das dietas digitais – talvez o principal – é a interatividade permitida pela tecnologia. A facilida-de de registrar em arquivos eletrônicos cada alimento que alguém põe na boca e de avaliar instantaneamente o resultado de suas escolhas é considerada pelos psicólogos a peça-chave no sucesso dos programas virtuais de emagrecimento. O retorno instantâneo e contínuo permite corrigir pequenos deslizes antes que o ponteiro da balança acuse as falhas da dieta e desestimule quem a faz. “O feedback é uma ferramenta de ajuste de nossas ações”, disse a ÉPOCA o psicólogo canadense Albert Bandura, de 85 anos, pes-quisador da Universidade Stanford, no Estado americano da Califórnia. Bandura foi o primeiro a estudar os mecanismos de feedback, ainda na década de 1970. “Ao receber retornos repetidos, as pessoas entram em um ciclo promissor – e passam a melhorar ainda mais seu desempenho.” Os psicólogos chamam esse fenômeno de feedback loop. Sua eficiência está ligada às emoções.

O mecanismo funciona assim: a sensação de ser monitorado e avaliado ativa regiões do cérebro que liberam dopamina, a subs-tância essencial do prazer humano. Ela tem o poder de tornar as pessoas mais comprometidas com seus objetivos. “Emoção, para o cérebro, é sinônimo de engajamento. O resultado do feedback é um cérebro engajado e motivado a se superar”, diz o neuropsicólogo Thiago Rivero, da Universidade Federal de São Paulo e da Sociedade Brasileira de Neuropsicologia. O feedback é fundamental em situações como dietas, em que o desejo de perder peso está ligado a sensações efêmeras, como entrar numa roupa menor ou impressionar a namorada. Qualquer contratempo pode ser suficiente para deixar a dieta de lado.“Ao adotar o feedback contínuo na estratégia de emagrecimento, o desafio de cumprir metas passa a ser tão importante quanto as motivações iniciais que levaram ao regime”, diz Rivero.

 

As equipes dos sites de dieta já entenderam que o retorno rápido é o segredo de seu negócio, por isso investiram em nutricionis-tas de plantão na internet e em serviços que saciem a curiosidade dos usuários sobre seu desempenho. A nutricionista Mariana Jota, do site emagrecendo.com.br, já se acostumou aos feedbacks eletrônicos. “Uma vez uma paciente tirou a foto de um doce de abacaxi com o celular e enviou para mim”, diz. “Ela desejava saber o impacto daquela sobremesa em sua dieta.” Mariana mandou a respos-ta na hora, com a contagem aproximada de calorias da guloseima. É difícil sentir-se mais amparado que isso durante uma dieta.

Uma série de estudos comparativos tentou medir cientificamente a eficácia dos métodos de emagrecimento virtuais diante dos demais. O mais completo até agora é o de Jean Harvey-Berino, do Departamento de Ciências da Nutrição da Universidade de Vermont, nos Estados Unidos. Ele foi o primeiro a comparar o tratamento considerado padrão-ouro (que inclui dieta, atividade física e terapia comportamental) aos programas on-line. Publicado no periódico científico Preventive Medicine, o resultado mostra que houve maior perda média de peso (6,1 quilos) entre os integrantes do grupo que fizeram terapia cara a cara. O grupo que fez a dieta com a ajuda da internet perdeu 5,6 quilos, e o grupo que tinha sessões de atendimento pessoal e também pela internet perdeu 5,5 quilos. Quando se pensa na rela-ção custo-benefício, a internet não se sai tão mal. Está a meio quilo de distância do padrão-ouro. E, mesmo que emagreça menos que as dietas tradicionais, a redução de peso proporcionada pelas dietas na internet já faz bem à saúde. Os especialistas dizem que uma perda de 5% do peso corporal é suficiente para combater doenças crônicas relacionadas à obesidade, como diabetes e hipertensão.

 

E VOCÊ JÁ ESTA EMAGRECENDO?
CLIQUE AQUI E COMECE JÁ O SEU PROGRAMA EMAGRECENDO

 

FONTE: Luciana Vicária - Revista Época 

3 comentários

  • lucineia

    Preciso emagrecer urgente mas sem remedios por que estou sofrendo de efeito sanfona.

    lucineia Segunda, 11 Junho 2012 16:44 Link do comentário
  • ana rosa

    eu quero emagreser como eu faço eu tenho 13anos e peso 69

    ana rosa Sábado, 26 Maio 2012 16:24 Link do comentário
  • andreia

    olá eu usei chia é muito bom mas ainda não descobri como faço pra emagrecer com ela....

    andreia Segunda, 16 Janeiro 2012 22:33 Link do comentário

Deixe um comentário

Make sure you enter the (*) required information where indicated.Basic HTML code is allowed.

blue green orange red

Nossos serviços são complementares à consulta com um médico ou nutricionista, não substituindo os serviços ou orientações destes profissionais.                                                                                      EMEX NUTRIÇÃO ORIENTADA. Todos os direitos reservados.

Login

Log in to your account or

Log in with Facebook

Register

«
»
Loading…